Monthly Archive: setembro 2016

Musicando com Secos & Molhados

Sou definitivamente o tipo de pessoa que vez ou sempre encontra uma vórtice de um assunto ou tema. E passo horas ou dias num fluxo dentro dessa temática até quase que enjoar, ou pelo menos até absorver o bastante por um bom tempo. Ultimamente isso vem acontecendo bastante no quesito música. escolho um artista, banda ou mesmo gênero e lá eu fico até não aguentar mais ouvir a mesma coisa. É quase um looping eterno por um tempo indeterminado.

Se isso é saudável ou mesmo ideal..não sei dizer ou provavelmente não, mas é assim que funciono e ao invés de lutar contra, eu entro de bom grado nesse fluxo, tirando dele o melhor possível e aproveitando ao máximo. Já tive minha longa “fase” de quase exclusivamente ouvir Depeche Mode, até saber todas as pausas de respiração do Dave e do Martin nas músicas. E pode ser bem aleatório e eclético o estilo, mas geralmente vão de músicas que já me agradavam ou que puxam significados especifícos. Já fui de Nando Reis, Cássia Eller, Zeca Baleiro, Rita Lee, The Cure, The Smiths, Depeche Mode, Marina and the diamond, Norah Jones, Imogem Heap, e por aí vai… Não necessariamente nesta ordem, claro.

Hoje em especial, é o dia de ouvir quase que somente Secos & Molhados – aquele obrigado especial ao Spotify por ter essas lindezas tão caras disponíveis para degustação em seu catálogo.

Sobre a banda:

Secos & Molhados foi um grupo vocal brasileiro da década de 1970 cuja formação clássica consistia de João Ricardo (vocais, violão e harmônica), Ney Matogrosso (vocais) e Gérson Conrad (vocais e violão). João havia criado o nome da banda sozinho em 1970 até juntar-se com as diferentes formações nos anos seguintes e prosseguir igualmente sozinho com o álbum Memória Velha (2000).

No começo, as apresentações ousadas, acrescidas de um figurino e uma maquiagem extravagantes, fizeram a banda ganhar imensa notoriedade e reconhecimento, sobretudo por canções como “O Vira“, “Sangue Latino“, “Assim Assado“, “Rosa de Hiroshima“, que misturam danças e canções do folclore português como o Vira com críticas à Ditadura Militar e a poesia de Cassiano Ricardo, Vinícius de Moraes, Oswald de Andrade, Fernando Pessoa, e João Apolinário, pai de João Ricardo, com um rock pesado inédito no país, o que a fez se tornar um dos maiores fenômenos musicais do Brasil da época e um dos mais aclamados pela crítica nos dias de hoje.

(Fonte Wikipédia)

Mais links:

Biografia da banda, site UOL.

Publicação sobre Secos & Molhados na Super Interessante

Resultado de imagem

Resultado de imagem

Resultado de imagem

Resultado de imagem

Resultado de imagem

Questão de tempo (About Time) (2013)

Um dia, em algum momento, nos perguntamos o que teria acontecido se… Ou mesmo aquele desejo de ter mudado algo, revivido um momento específico e ter dado a ele um outro valor, um outro rumo.

Um questionamento banal,  visto que não podemos mudar o que já aconteceu. E as nossas idéias do que seria diferente não abrangem todo o apanhado de mudanças que aconteceriam. Mas ainda assim, quem de nós nunca imaginou como seria poder fazer isso. E quantos momentos gostaríamos de mudar ou reviver… ou simplesmente, ter uma nova chance de melhorar, de ressignificar… (mais…)

Top 7 – filmes para se esquecer

Brincando de fazer umas listas, mas indo além de falar dos favoritos ou dos menos queridos… vou começar com uma lista de filmes que eu ainda não sei porque resolvi ver, mas nada de guilty pleasure ou de filme que eu me arrependo de ter visto. É filme nível esquecer que viu mesmo.

Por pior que tenha sido, a gente guarda algo, lembra que era ruim por um motivo ou que algo até se salvava… Mas acontece de algumas vezes nem isso rolar e só restar aquela sensação de culpa, misturada com uma vergonha e daí vai para o limbo da memória. E olha que eu sou assumidamente consumidora de coisas trash, mas tem alguns que nem se aplicam nisso, alguns só são ruins e ponto.

Vamos chamar de “Filmes esquecidos”. E eu confesso que muitos eu só lembro porque eu já tinha marcado no Filmow. Vamos ao top 7: (mais…)

Dica de filmes: O Clube das Desquitadas / The First Wives Club (1996)

Um filme que junta as divas das comédias e comédias românticas dos anos 80 e 90. Minhas divas, pelo menos, que esbanjam beleza, simpatia e muito talento. E um filme na linha das mulheres descobrirem seu poder e sua força …de um empoderamento que não tem hora ou idade…e sim força de vontade. Eu uso referências desse filme até hoje, assim como de tantos outros. Adoro ver e rever, por isso segue como dica! (mais…)

Magia além das palavras – A história de J.K. Rowling (2011)

Eu já tinha assistido, mas vi esses dia que estava disponível no Netflix. Então pensei em indicar por aqui. Já avisando que é bem a linha Movies For Tv, mas ainda assim pode ser legal. Afinal, a gente acaba assistindo cada tranqueira que precisa aprender a ver de tudo e com menos preconceito. (mais…)

Águas Rasas (2016)

Algumas vezes escolhemos filmes sem saber o que esperar, sabendo muito pouco, lendo menos ainda. Parece estranho em tempos de ultra conectividade, mas pode resultar em boas descobertas com baixo grau de decepção. Cobrar menos do que vamos ver, por não saber direito o que esperar ou com o que comparar. É difícil fugir de comentários, até de spoilers, mas pode valer o esforço. E esse filme vale o esforço de ver nas telonas – corre que acho que ainda da tempo.

banner-aguas-rasas (mais…)

Jumanji 2 está vindo mesmo

Sabíamos que haveria um Jumanji 2 já a algum tempo, mas enfim saiu uma foto com o elenco principal do longa no set de gravação. Confesso que eu só sabia do Dwayne Johnson de quem eu gosto muito, e seria um motivo para ver o filme. Depois soube  do Jack Black, que me fez questionar ainda mais se eu ia querer ver, já que não sou muito fã dele. Até por motivos de não me interessar muito por uma sequência ou reboot, eu não sabia o que pensar. Mas daí vem a Karen Gillian também, de quem eu gosto, mas ainda assim acho que não vai ser bom, mas ainda assim mais um motivo para talvez assistir – Whovians entenderam meu impasse. nekbswzoaltjnt_1_b

Mas o que dói é que parece still de um filme/série do SciFy. Não me entenda mal, eu sou a pessoa que se empolga com Sharkonado ou ZNation, mas é difícil vender algo assim. E muito difícil gostar, ainda mais por ser algo que mexe com aquele ímpeto de nostalgia.

Segundo divulgam até o momento, o filme não será um remake, mas sim uma sequência que se passa quase 20 anos após os ocorridos do primeiro filme de 1995. Talvez seja uma saída inteligente para não correr o risco de sofrer com as comparações e com os nostálgicos de plantão. Como vimos com As Caça Fantasmas.

Estão confirmados no elenco principal: Dwayne Johnson, Jack Black, Nick JonasKevin Hart e Karen Gillian.

A previsão de lançamento é 28 de julho de 2017.

Agora é esperar por mais pistas e dicas do que vais ser essa continuação. E torcer para ser algo bacana para apresentar o filmes original para uma nova geração de crianças. E vamos lá, você como pai/mãe/tio/tia ou adulto de referência, apresente clássicos da sua infância para um picorrucho também. Pode ser clássico, trash, bobo ou não… espalhe a palavra da sessão da tarde você também!rs

 

Dica de filme: Tara Road (2005)

Sabe aquele filme que você descobre sem querer? Pois bem, minha mãe (assim como eu) não podia ver DVDs em promoção que queria comprar vários filmes, mesmo sem saber do que falava o filme, se via um rosto familiar…pronto, comprava…nem sempre dá certo, mas dessa vez foi uma grata surpresa.
Ela comprou o filme por ver a Andie MacDowell (porque você vale muito) na capa e pensou que poderia ser interessante, sem falar que ela adora esses filmes com uma pegada “aprendendo a viver”, “valor da vida”… essas coisas…rs

(mais…)

Orgulho e Preconceito e Zumbis (2016)

Esperei para ver o filme bem depois. Em especial pelo fato de ter lido o filme e ter aquele medo de decepção braba. Depois daquele Abraham Lincoln caçador de vampiros,  que era a mesma linha, eu confesso que fiquei com mais pé atrás do que qualquer coisa. Eu sei que a referência não é das melhores, visto que nem o livro era aquela coisa que se diga maravilhas, mas doeu mesmo assim ver um filme ainda pior. Mas voltando ao filme que vim falar sobre… (mais…)

%d blogueiros gostam disto: