DEADPOOL

Eu não sou a pessoa mais entendida de HQs do mundo, confesso que conheço apenas os personagens que vão para as telonas. Geralmente acabo indo assistir pela farra e por gostar de consumir esse tipo de filme. Mas geralmente é aquela coisa mainstream dos mesmo heróis de sempre e algumas sagas de HQs com adaptações (bjos para esse lindo universo MARVEL). Ou mesmo aquelas sagas que aprendi a amar com as animações, caso de X-Men.
Mas como a vida é uma caixinha de surpresas, assim é o mundo de adaptações de HQs para o cinema também. Fora daqueles nomes mega conhecidos da nossa cultura POP, às vezes surgem azarões que muito pouca gente conhecia (de verdade) mas que conquistam o público com carisma, tanto dos atores escalados como dos personagens. Vimos isso com o Homem de Ferro (ok que ele é mega pop agora, mas antes, bem antes do filme pouca gente – além de mega entusiastas de HQs – conhecia) e mais recentemente vimos acontecer novamente com Guardiões da Galáxia.
E enfim chegamos ao assunto do post – DEADPOOL!
Eu não conhecia o personagem direito, mais por umas citações e comentários. Mas vi o fervor crescer quando surgiu aquele primeiro vídeo que viralizou – o marido, por exemplo quase surtou de empolgação e vibrou ainda mais quando saiu a confirmação que teria filme – e foi ele que me apresentava às aparições e conceitos de HQs e os personagens.
E mesmo sem ter um mega background de Deadpool, lá fomos assistir ao filme. E como já haviam vociferado por todas as redes sociais existentes, adoramos. Um mix, quase uma ode ao universo pop, cheio de referencias e citações que inserem o super em nosso universo. Ele não está assim tão fora de uma realidade palpável. Ele fala conosco, olhando para a câmera, interagindo com o público, referenciando músicas, filmes e uma pancada de coisas que faz parte do nosso mundo. Só aí ele já ganha vários pontinhos, mas ele vai além. Com uma ironia e uma acidez tão viva que não precisa ser fã de quadrinhos para entender, curtir e querer mais.
O filme brinca até com os clichês de filmes, e como não se encantar com uma coisa tão louca e fora da caixa mas que é exatamente como gostaríamos que fosse?! (Fez sentido?)
Sacadas criticando filmes de heróis, personagens, clichês, discussão de sexismo, estúdios, e tanta coisa que me foge agora.

Eu que não sou a mais entendida, consegui me inteirar da trama e gostar. E a sacada do roteiro para solucionar o orçamento enxuto, funcionou bem demais.

Vale assistir, vale a diversão!

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: