Tag Archive: resenha

A Chegada (Arrival)

Só tenho a agradecer por todas as indicações que li e ouvi nos podcasts RapaduraCast e Mamilos, em especial a dica de como ver/o que esperar. Um disclaimer bom foi que apesar de um filme de ficção científica, de ter a trama dos seres que chegam na terra, apesar dessas coisa o tema principal é a humanidade, a comunicação.

A Chegada
Título original: Arrival (2016)

 

Direção: Denis Villeneuve

Gênero: Drama/Ficção Científica

Duração: 1h58min

Sinopse: Naves alienígenas chegaram às principais cidades do mundo. Com a intenção de se comunicar com os visitantes, uma linguista e um militar são chamados para decifrar as estranhas mensagens dos visitantes.

 


Escrivinhando sobre o filme:

E o que dizer quando mesmo com o disclaimer que poderia ser quase um spoiler não te prepara para o que virá? Quando um filme não poderia dizer mais e ser entregue em melhor momento? A Chegada é um filme que fala de uma situação hipotética e fictícia, mas ainda assim tão verossímil e com tanta relevância ao nosso momento histórico. Em tempos que a comunicação é deixada de lado. Quando não há diálogo, mas sim as imposições e o medo, que nos guia em decisões e posições questionáveis.

É interessante como ele passeia, quase brincando, pelas nossas conclusões ao longo da apresentação da personagem Louise. Ele não mente ou te engana, mas te apresenta as coisas sem explicar, e você vai montando um teoria, para depois descobrir que não era o que você deduzia. Além disso, ele não fica te explicando as coisas… sabemos e aprendemos junto com os personagens, somos colocados ao lado deles para evoluir no entendimento juntamente com eles. E descobrir a revelação, junto com Louise, é importante para preservar a experiência, então vou manter o controle e segurar os Spoilers. Mas digo que pela primeira vez consegui ver Amy Adams e adimirar o trabalho dela como atriz, sem notar que ela estava se esforçando para atuar… mas apenas acreditar nas emoções e me deixar levar pela história.

Fico por aqui, com a indicação de que vejam o filme e se permitam descobrir essa história.

 


Trailer:

Comer Rezar Amar (filme)

Numa pausa reflexiva finalmente encarei o filme. Esperava algo e de certa forma foi um pouco do que imaginava, com uma pitada de algo a mais que falou com aqueles questionamentos internos que a gente geralmente evita.

Comer Rezar Amar

Título original: Eat Pray Love (2010)

Dirigido por: Ryan Murphy

Duração: 2h 20min
Gênero: Drama/Romance
País de origem: EUA

Sinopse: Liz Gilbert pensa que ela tinha tudo que queria na vida: uma casa, um marido e uma carreira de sucesso. Porém recém-divorciada e de frente para um momento de mudança, ela se sente confusa sobre o que é importante em sua vida. Ousando sair da sua zona de conforto, Liz embarca em uma busca de auto-descoberta que a leva à Itália, à Índia e a Bali.

*Está disponível no catálogo da Netflix


Escrivinhando sobre o filme:

A forma como você avalia o filme pode variar de acordo com o momento em que você está. Se fosse em outro momento, talvez eu também visse de outra forma e teria gostado um pouco menos. E não necessariamente a personagem da Liz tem tanto carisma que crie a ligação necessária para se apegar – mesmo sabendo que ela é inspirada numa personagem real ou mesmo com o enorme carisma da Julia Roberts – no filme em alguns momentos ficou faltando algo que desse mais profundidade à Liz. Mas no geral, os questionamentos são válidos e interessantes.

A busca por auto reconhecimento, depois de anos de se deixar definir pelos outros, pelas relações, pelo trabalho ou qualquer outra coisa que não seja o eu. E descobrir que nós somos essa mistura, somos um pouco de tudo que nos define, mas precisamos aprender a lidar com isso, respeitar e compreender.

As imagens são lindas, os lugares visitados são de tirar o ar e de querer fazer a mesma coisa – por o pé no mundo para conhecer, absorver tanta beleza, toda novidade, tanta cultura. Mas ainda me dói pensar que para uma pessoas que ficou sem nada, conseguir fazer toda aquela via sacra, seria no mínimo meio complicado no quesito de logística. Mas apesar disso, ignorando essa parte e a de não entender muito como é possível – com toda a suspensão de descrença ativada – é uma agradável sensação de embarcar com ela para para se permitir experimentar essas descobertas.

Sim, é sofrível ver o Ravier Barden encarnando um brasileiro e arranhando no português, quando temos tantos atores bons. Mas cá entre nós, quem chamaria mais público? Fez tanta diferença assim? Eu aceitei, respirei fundo e segui a viagem, no fim ficou em segundo plano essa parte – ele poderia ser de qualquer origem – o que realmente importava era a emoção e as motivações dele, mais que saber de onde ele vinha e se o ator era mesmo de lá.

No geral, um filme leve, com bons questionamentos sobre o indivíduo em sua busca por se conhecer.


Trailer:

Documentário: Sobre Noiz

É raro passar pelo Canal Brasil, mais raro ainda é ficar por ele para conferir o que está passando. Mas eis que uma boa surpresa me levou a descobrir o documentário Sobre Noiz e conferir até o final.

Sobre Noiz (2016)

Dirigido por: Emicida, Evandro Fióti

Duração: 1h 10min
Gênero: Documentário
País de origem: Brasil

Sinopse: Durante a produção de seu álbum “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa”o rapper e ativista Emicida visitou diversas comunidades para criar um panorama da realidade dos jovens que convivem fora dos padrões das classes mais altas.

Imersão profunda no universo do álbum, o vídeo registra toda a sua concepção,  desde os primeiros rascunhos de letras até a viagem que se tornou o pano de fundo da obra.

Com narração do próprio músico, “Sobre Noiz” mostra os preparativos para a viagem, ainda no Brasil, chegando até a África, com imagens das gravações com músicos locais em Praia, Cabo Verde, e de Emicida nas ruas de Luanda.

Na medida em que “Sobre Crianças…” vai tomando forma, reflexões do músico sobre o rap e a música brasileira em geral são intercaladas com questões políticas e sociais dos países africanos por onde ele passou.


Escrivinhando sobre o documentário:

Mesmo não sendo um ritmo que costuma constar na minha playlist, o documentário é maior que apenas o estilo ou ritmo musical. Ele tem uma voz própria, sobre identidade, descoberta e respeito. E como se já não fosse beleza o suficiente presenciar a criação de álbum tão bonito e com mensagens tão fortes, as imagens são extremamente de bom gosto.

Um ar intimista, divertido e que permite uma imersão. Fala com quem está do outro lado, chama para conhecer ainda mais o trabalho do Emicida como um todo, dando além de voz, personalidade e ainda mais carisma.

Quem disse que a simplicidade não basta? Que é preciso milhares de paranauês para ser algo que prenda e cative o olhar? Nesse Doc eu fui pega pela simplicidade e pela simpatia, pedindo licença para entrar e conhecer a casa, a música e a criatividade. Não precisa ser fã de Rap, basta ser apaixonado por música e poesia para se sentir bem vindo e receber o abraço sonoro dessa trilha linda que ele criou.

Para mais informações vou deixar o link do Site do Lab Fantasma, site oficial com informações do documentário. E depois do trailer, você confere uma playlist com as músicas do álbum do Emicida.

Espero que gostem, que se permitam e que compartilhem.

Deixe um comentário com a sua opinião, dica ou bronquinha… estamos aqui para compartilhar idéas e o que mais vier.

 


Trailer:

 

Playlist Emicida –  álbum “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa”

 

A Colina Escarlate

Depois de muito ouvir e ler criticas e reclamações, mesmo com dois atores que eu admiro e que geralmente rendem bons filmes e do próprio Guilhermo Del Toro carregar o filme com seu nome e visual. Fui desesperançosa e com muitas dúvidas sobre o que veria – lembrando como me senti em relação ao MAMA, que me deixou um pouco desapontada. Ainda assim, tentei ir com a mente aberta, sem julgar …


A Colina Escarlate

Título original: Crimson Peak (2015)

Dirigido por: Guilermo Del Toro

Duração: 119 minutos
Gênero: Fantasia, Drama, Terror, Suspense
País de origem: Canadá e EUA
Classificação: 16 anos

Sinopse: Apaixonada pelo misterioso Sir Thomas Sharpe (Tom Hiddleston), a escritora Edith Cushing (Mia Wasikowska) muda-se para sua sombria mansão no alto de uma colina. Habitada também por sua fria cunhada Lucille Sharpe (Jessica Chastain), a casa tem uma história macabra e a forte presença de seres de outro mundo não demora a abalar a sanidade de Edith.


Escrivinhando sobre o filme:

A atmosfera do filme é muito interessante, as cores, cenários, figurinos, visual e sonoramente o filme encanta, como já havia sido observado por várias pessoas. O roteiro promete o suspense seguido de um terror, mas faltou algo.

A química entre Sir Thomas Sharpe (Tom Hiddleston) e Edith Cushing (Mia Wasikowska) é quase inexistente, não tem veracidade ou mesmo dá liga, deixa uma impressão clara de atuação, não faz com que o espectador se importe ou relacione com os personagens. E ver a Jessica Chastain tão desperdiçada, quase apagada em tela, chega a dar uma tristeza. Ainda assim eu segui tentando não julgar, chegar até o final de mente aberta, foi difícil, mas me esforcei. Edith parecia uma personagem forte e predestinada, com seus sonhos e convicções, mas depois vira uma mocinha tola que se deixa levar do nada por uma “amor” que não exala nem amor, nem paixão. É estranho, é acelerado para que as coisas aconteçam mais rápido e fica solto e perdido.

No geral, não é um mal filme, não mesmo… mas foi executado de forma questionável. Todo o cuidado com o visual foi deixando a trama em segundo plano, e ficou largado e previsível até certo ponto. Levando em conta o visual e as ambientações, eu gostei, mas realmente não sei se assistiria mais vezes – talvez alguns trechos para suspirar novamente nos figurinos. Mas não é tão ruim a ponto de gongar ele para minha lista dos piores filmes… Literalmente já filmes bem horríveis, e esse é bonito e bem feito pelo menos.


Trailer:

Podcast Deu Na Caixola – #03 – O Iluminado

E nesse terceiro episódio do podcast Deu Na Caixola, Claudia Poulain e Rafael Pedago trazem uma conversa sobre o clássico filme O Iluminado, do Stanley Kubrick, baseado no livro do Stephen King.

Em uma conversa solta e descompromissada, comentando um pouco do filme, do livro e das impressões de rever depois de tantos anos essa obra prima do cinema. Comparando um pouco com o livro e as atuações de Jack Nicholson  e Shelley Duvall nessa adaptação.

Vem com a gente nessa conversa, compartilhe sua opinião, mande um feedback para o podcast poder conhecer melhor quem está fazendo parte dessa história que estamos começando através do nosso Facebook do Box Of Me ou a página do podcast, nossas redes sociais estão à disposição. Assim como o nosso e-mail.

E-mail

contato@boxofme.com.br


Redes Sociais do podcast:

Indicações feitas no programa:

O Bebê de Bridget Jones

Eu demorei, mas cá estou para me redimir com a terceira e final(?) parte da trilogia Bridget Jones. Em boa parte porque tive receio de dar adeus, e em outra por medo da decepção. Mas resolvi enfim deixar esse medo de lado e abraçar o saudosismo e reencontrar minha amiga Bridget para saber a quantas anda sua vida. E lá vamos nós…

 

O Bebê de Bridget Jones

Título original:  Bridget Jone’s Baby (2016)

Dirigido por: Sharon Maguire

Duração: 123 minutos
Gênero: Comédia , Romance
País de origem: Reino unido, Irlanda, França, Eua
Classificação: 12 anos

Sinopse: Bridget está focada em sua solteirice e em sua carreira quando descobre que está grávida. Após ter dormido com um desconhecido e com seu amor do passado, Mark, ela não sabe quem é o pai.


Escrivinhando sobre o filme:

Já começo agradecendo por não ter tido o mesmo tema do terceiro livro – não saberia lidar com a perda de Darcy, não aceitaria de forma alguma que ele partisse e não estivesse por perto. Pode torcer o nariz, eu não ligo, mas tenho um crush pelo Mark Darcy, assim como pelo Darcy personagem da Jane Austen e isso não é negociável. Dito isto, eu estava meio desconfiada de como seria um novo filme, como seria retornar a essa história que me parecia ter findado bem lá no segundo filme. E com os trailers e todas as resenhas que pularam na timeline e tanta gente falando, eu resolvi entrar na caverna e tentar escapar o quanto pude até finalmente criar a coragem de voltar ao universo Bridget.

Foi como rever uma velha amiga (sem trocadilhos), parceira de bons e maus momentos – desde aquela paixonite aguda ou de uma bela foça com pipoca e brigadeiro. Reencontrar toda a turma, ela, os amigos, pais, Mark… e esperar por algum vislumbre de Daniel… Valeu a espera, valeu o retorno. Ok, que o roteiro é bem previsível, mas gente, é a Bridget, não esperava muito além. Mas com boas mudanças, com aquela atualização que o amadurecer traz e fazendo graça com a idade, e com as referências.

Um filme divertido, leve e com aquele toque de romance para derreter o coração quando vem aquele dia da bad. Mas ainda tenho os dois primeiros como favoritos de longe – como ganhar daquelas disputas de pernas entre Daniel e Mark? Ou mesmo do suéter de natal de Jones e Darcy? Enfim, começou bem, no ritmo dos anteriores e vai ficando longo e quase passa a linha do tedioso, mas quem tem Emma Thompson e Colin Firth já me ganha até o final do filme alegremente.

Dica para aquele dia que você não sabe o que quer ver, mas quer algo leve, que te faça rir, com uma boa dose de nostalgia.


Trailer


 

JeruZalem (2015)

Tinha visto esse poster em algum lugar, achei que era um tipo de continuação aleatória do Guerra Mundial Z, mas passei longe, muito longe… Na verdade confesso que esse nem foi um dos motivos que me levou a assistir, foi um misto de curiosidade e insônia que a Netflix ajudou a preencher com mais um filme.

Jerusalém
Título original: JeruZalem (2015)

Dirigido por: Doron Paz e Yoav Paz

Duração: 87 minutos
Gênero: Terror
País de origem: Israel
Classificação: 18 anos

Sinopse: Duas meninas americanas de férias seguem um belo e misterioso estudante de antropologia em uma viagem para Jerusalém. A festa é interrompida quando o trio é apanhado no meio de um apocalipse bíblico. Presos entre as antigas muralhas da cidade santa, os três viajantes deve sobreviver tempo suficiente para encontrar uma saída enquanto a fúria do inferno é lançada sobre eles.


Talvez você conhecça:

Yael Grobglas (Jane the Virgem)


Escrivinhando sobre o filme:

Bom, o que dizer de um filme que não se espera nada, além de algo que ele não é. (como disse no começo, tinha pensado que era algo com o Guerra Mundial Z – muito por conta da grafia na capa/poster)

Começa com uma explicação religiosa paranormal em Jerusalém, que te deixa pensando que vai seguir algo do tipo, mas daí somos levados aos dias atuais, acompanhando duas jovens de viagem (filmado ao estilo diário de viagem, câmera de mão) e por uma paquera, elas deixam de ir para Tel Aviv para ir a Jerusalém. Daí as coisas vão acontecendo meio na correria, meio sem sentido, meio que só pra acabar logo.

Tem umas boas sacadas, tem locações lindas… mas falta liga, falta tanta coisa para que feche bonitinho. Confesso que um dos motivos de eu seguir vendo era a Yael Grobglas, que tem carisma, que segurou boa parte do filme. Porque no mais, sobra um misto de referências e de idéias que não se conversam direito.

Eu que não esperava nada de bom, tive umas boas surpresas – mas não vá esperando muito.

 


Trailer:

O último capítulo (2016)

Como não confiar numa produção NETFLIX, não é mesmo? Claro, depois de Jessica Jones, Demolidor, The Get Down, Stranger Things, entre outros… a gente fica mais que impressionando e meio que se rende. Mas depois lembra que ela pode errar também, basta lembrar de Fuller House (ok, é nostálgico, mas não deu).

A premissa é interessante e intrigante, então apostei que acertos eram maioria e corri para o sofá.

 

O último capítulo
Título original: I Am the Pretty Thing That Lives in the House (2016)

Dirigido por: Oz Perkins

Duração: 87 minutos
Gênero: Terror, Thriller
Páis de origem: EUA
Classificação: 12 anos

Sinopse: Lily (Ruth Wilson) é uma jovem enfermeira que se torna responsável por cuidar de uma reclusa escritora de terror, que decide viver o último capítulo do seu livro em uma casa do século XIX, local que guarda seus próprios segredos assustadores. No entanto, o que parecia ser apenas mais um trabalho qualquer, começa a se tornar um verdadeiro pesadelo para Lily.
Uma produção Original Netflix, estreou em outubro de 2016 no serviço de streaming.


Talvez você reconheça:

Ruth Wilson (Séries: Luther, The Affair)

 



Escrivinhando sobre o filme:

Como disse no início, a premissa é boa, chama a atenção por parecer que vai desenvolver um bom suspense com um pouco de terror.  Bom era o que eu pensava, já que o filme não foi bem por aí. Ritmo arrastado, personagens sem carisma, enredo lento e sem atrativos me fizeram ter dificuldade de chegar ao final, mas lá vamos nós não é mesmo?!

Ele cria uma tensão para algo que não vem, e um suspense que meio que não se resolve. Muita enrolação no meio de um plot que não se desenvolve. Não sou de reclamar de lentidão e essas coisas, mas dessa vez eu não me aguentei.


Trailer:

Haters Back Off

De tanto receber a indicação da Netflix por e-mail e na página principal, recebi dar uma chance e ver a tal Haters Back Off.

Uma série de televisão de comédia estrelada por Colleen Ballinger, que também criou a série juntamente com seu irmão Christopher Ballinger, e os showrunners Perry Rein e Gigi McCreery. A série foi lançado na Netflix em 14 de Outubro de 2016. Os oito episódios da série foram liberados simultaneamente. O show é “A primeira série criada por um Youtuber.”

 

Sinopse

A série acompanha a desfuncional vida familiar de Miranda Sings, que busca pela fama com a ajuda de seu tio. Miranda é uma estrela sem nenhum talento, mas com muita confiança em si própria e que acredita firmemente que nasceu famosa, mas ninguém mais sabe disso.


Sobre a série

Imagina uma coisa ruim, mas que tem momentos que parece que vai melhorar e quase chega a ter um toque de graça, ou um certo toque de emoção quando você vê os personagens deixando o nonsense de lado e se tornando reais, evoluindo. Mas aí depois ela volta a ser ruim de novo e você fica nessa pelo menos umas 3 a 4 vezes por episódio. Tem seus momentos, mas eu confesso que são bem poucos.

Ainda estou tentando entender como eu consegui me forçar até o final – não foi fácil, mas eu precisei terminar para poder decidir escrever. Não indico, pois eu realmente não sei o que senti, foi um misto de confusão, pena e ódio.

Pelo menos ao final de tudo, fica ali uma pequena sensação de “vendeta” em relação à relação abusiva que Miranda cria com as pessoas que cercam, mas saber que isso levou 8 episódios para acontecer, com cerca de 30 minutos cada, foi meio desnecessário, doloroso e triste. Ok, que alguns personagens precisaram desse tempo para evoluir um pouco a ponto de chegarem ao ponto do último episódio. Eu entendo que a graça residiria em satirizar certos comportamentos narcisistas, egoístas ou mesmo um tanto infantis que vemos repetidamente em várias pessoas, mas ainda assim, foi sofrível chegar ao fim.

A princípio me lembrou um pouco como me senti em relação à Chewing Gum, mas é diferença é que mesmo desconfortável em alguns (vários) momentos ainda assim eu consegui rir e me relacionar melhor com os personagens lá. Enquanto aqui em Haters Back Off eu apenas sofri.

Se tiver a curiosidade de se arriscar, boa sorte, mas eu passo longe.

Despertar dos mortos (2011)

E entre tantas noites de insônia ou buscando algo para assistir em vão, resolvi ceder à esse título que vez ou outra voltava a aparecer como indicação nas listas de recomendação. Claro que não é a escolha mais óbvia ou mesmo a mais adequada para noites de dificuldade com o sono, visto que não relaxa, não acalma, mas ainda assim distrai bastante. E afinal, por que buscar o óbvio quando ele já não funciona mais?

Uma promessa de um filme simples, com uma temática já meio que clássica no campo do terror – confesso que me lembrou um pouco aquela premissa de Cemitério Maldito (1989), mas foi apenas como referência ao ler a sinopse e a questão da perda de uma criança e a busca pelo retorno. Vamos para algumas informações do filme:

Despertar dos mortos
Título original: Wake Wood (2011)

Dirigido por: David Keating

Duração: 90 minutos
Gênero: Drama, Suspense, Terror
País de origem: Irlanda, Reino Unido
Classificação: 16 anos

Sinopse: O veterinário Patrick (Aidan Gillen) e a farmacêutica Louise (Eva Birthistle) perdem a sua única filha, Alice (Ella Connolly). Ainda em luto, eles se mudam para a remota cidade de Wake Wood. Ao saber do ocorrido, o líder do vilarejo (Timothy Spall) lhes oferece para fazer um ritual pagão que trará sua filha de volta por três dias, para que eles possam se despedir propriamente. Eles aceitam, mas quando chega a hora de enterrar Alice novamente, hesitam. Só que conforme o tempo passa, a menina começa a se comportar de forma estranha.


Talvez você vá reconhecer:

Aidan Gillen (Série: GOT)
Timothy Spall (Filme: Harry Potter, Sweeney Todd, Sr. Turner)
Eva Birthistle (Filme: Brooklyn)


Escrivinhando sobre o filme:

O filme pode não ser uma maravilha do terror, mas cria bons momentos de suspense e tensão.  Consegue entregar, mesmo sem muito tempo de tela, a relação amorosa entre os pais e a filha, gerando uma empatia pela dor e intensões meio duvidosas do casal em aceitar entrar nesta situação para ter o tão desejado retorno de sua única filha. Fica fácil se relacionar a essa dor, e ao que leva aos erros cometidos para conseguir o objetivo. Mas desde o início fica claro que algo dará imensamente errado, e que não terá volta.

Uma produção que foge dos mega efeitos, usa de efeitos práticos simples e bem feitos. O roteiro tem alguns furos – a facilidade de um casal arrombar o cemitério e violar a lápide de sua filha é algo impressionante, mas no geral passa e não dói tanto assim ao assistir e encontrar alguns furinhos que podem ser contornados com uma dose de suspensão de descrença básica – como o fato de uma sociedade pequena e afastada, com segredos como este, confiariam em pessoas de fora assim tão facilmente e por receber os serviços de um veterinário de forma integral e irrestrita em troca. Mas assim, novamente, quem sou eu para julgar essa lógica sem lógica alguma, eu aceito e embarco para ver até onde vai – já que às vezes o trajeto é melhor do que o destino final.

 

 

Gostou da dica? Ou já assistiu e quer compartilhar sua opinião? Ou se quiser indicar mais temas para que a gente publique por aqui, é simples – Deixe um comentário logo abaixo, ou fale com a gente pelo nosso e-mail (contato@boxofme.com.br)!

 

%d blogueiros gostam disto: